7 de jul de 2008

INGRID BETANCOURT

Por : Laerte Braga

A libertação da ex-senadora Ingrid Betancourt foi o resultado da negociação de países da Comunidade Européia e em particular a França, com as FARCs-EP. As declarações do presidente da Venezuela Hugo Chávez feitas há cerca de vinte dias convocando as FARCs-EP a soltar os reféns foram parte do roteiro de conversações entre a guerrilha, os negociadores europeus, o governo da França e o governo da Colômbia.

No acordo fechado ficou acertado que Ingrid e os demais reféns seriam levados a um determinado ponto da selva colombiana e ali entregues a representantes dos negociadores. O narcotraficante Álvaro Uribe deu seu aval ao entendimento.

A guerrilha, vivendo um momento difícil de profundas mudanças internas, cumpriu sua parte. Levou Ingrid e os reféns ao local previamente acertado.

Ao contrário Uribe não cumpriu sua palavra. Com auxílio de informações dos satélites militares dos EUA localizou a área, enviou tropas e um helicóptero e fez com que se passassem pelos negociadores. Havia comprado a peso de ouro soldados da guerrilha para confirmarem a informação sobre o local.

A guerrilha não recuou e libertou Ingrid e os demais reféns. Tem um perfil que Uribe o governo dos EUA não tem.

Uribe deu declarações à imprensa do seu país e do exterior afirmando que uma operação de resgate das forças armadas do narcotráfico colombiano resgatou a ex-senadora e os companheiros de prisão (eram prisioneiros de guerra). Falou inclusive sobre a infiltração de agentes dos cartéis que governam a Colômbia no comando da guerrilha.

Mentira. Foram pagos 750 mil dólares a um pequeno grupo de guerrilheiros cooptados para confirmar o local combinado entre os negociadores europeus e as FARCs.

Libertar a ex-senadora sem condições prévias foi uma decisão do comando das FARCs e um gesto humanitário. Proceder como procedeu Álvaro Uribe foi uma ação, mais uma, traiçoeira de uma quadrilha que comanda o país, Colômbia, base para as maiores operações de tráfico de drogas do mundo e enclave norte-americano na América do Sul.

O presidente da Colômbia enfrenta séria oposição dentro de seu país. A Suprema Corte de Justiça rejeitou a manobra que possibilitaria a ele um terceiro mandato, seu real objetivo.

Centenas de milhares de colombianos estão nas ruas num grande protesto contra o governo Uribe, contra o narcotráfico no poder, contra a violência e a barbárie do regime que tem se caracterizado pelo assassinato em massa de opositores na guerrilha ou na chamada sociedade civil.

A senadora Piedad Córdoba está nos Estados Unidos denunciando todo o conjunto de ações desenvolvidas pelo governo do narcotráfico e a convite de organizações norte-americanas de direitos humanos. O governo terrorista de George Bush tentou a todo custo evitar sua entrada naquele país. Córdoba ficou retida no aeroporto em New York por horas e só foi liberada por pressão das entidades e organizações que convidaram a senadora. Uma das principais líderes de oposição ao governo do narcotráfico.

É evidente que guerrilha vive um momento difícil. A correlação de forças entre o narcotráfico no poder e a luta popular é grande e a participação dos EUA tem sido fundamental para os golpes assestados por Uribe contra as FARCs.

Isso inclui desde a superioridade militar, ao processo de compra de guerrilheiros de menor posição e vulneráveis ao poder do dinheiro. Há uma série de análises que podem ser feitas sobre esses procedimentos (cooptação), mas neste momento não importa tanto quanto perceber que a guerrilha, que vive também um momento difícil com a morte de seus três mais importantes comandantes, busca reestruturar-se e adequar-se a um contexto que é parte do processo da luta popular e, certamente, desfavorável.

O inimigo é o narcotráfico, tem o governo do país e o apoio ostensivo do governo Bush.

Não há o que discutir sobre a libertação em si de Ingrid e dos companheiros de prisão militar. Nem que a prisão de Ingrid, há seis anos atrás foi conseqüência de um gesto político calculado da ex-senadora de ingressar em território controlado pela guerrilha.

O fato, como aconteceu, está sendo noticiado pela imprensa européia, por meios de comunicação norte-americanos e omitidos no Brasil e nos países latino-americanos, onde a mídia, a chamada grande mídia, é venal, corrupta e braço do governo dos EUA e do narcotráfico colombiano representado pelo presidente Álvaro Uribe.

Em função de interesses políticos e econômicos das grandes empresas, do latifúndio e do sistema financeiro que, por aqui, adotam as mesmas práticas, compram, inclusive generais fardados de um nacionalismo corrupto e entreguista e controlam países como o Brasil (um governo débil e enfraquecido por suas características contraditórias de uma no cravo e outra na ferradura).

O festival de mentiras da GLOBO e das principais redes de tevê, dos grandes jornais, das revistas, supera de longe todo e qualquer resquício de escrúpulo que possa existir nessas empresas, braços dos proprietários do País e agentes do capital internacional (o nacional não existe, é também braço do internacional).

Em toda a transmissão do jogo decisivo da Taça Libertadores da América o locutor que narrava a partida fazia chamadas para “o jornal da noite que vai trazer detalhes da libertação da ex-senadora Ingrid Betancourt, das mãos dos guerrilheiros narcotraficantes ” .

Faz parte do processo de dominação e formação de zumbis em sociedades onde o avanço desses novos senhores, novos donatários de capitanias hereditárias, faz com que elites e mídia se prestem a qualquer papel.

Que bom que a ex-senadora esteja solta. Deve ser candidata a presidente da República e deverá ser a principal adversária do narcotraficante Álvaro Uribe. Se isso não acontecer é porque a extensão do acordo que comprou e cooptou pessoas é maior do que se possa imaginar.

Aí a luta de Ingrid terá terminado e a ex-senadora estará morta a despeito de supostamente livre.

Um detalhe de suma importância. Em janeiro deste ano a mídia noticiou que Ingrid estava à beira da morte. Hoje cedo já se apresentou de público com declarações políticas, sem nenhum sinal de debilidade que não o cansaço natural de seis anos numa prisão.

Existem milhares de colombianos presos por discordarem do governo do narcotráfico.

A luta popular, que inclui a luta das FARCs, não tem como objetivo prender e manter pessoas presas. Esse tipo de fato dentro de uma guerra civil, que acontece na Colômbia, faz parte do processo.

O objetivo é maior. Transformar países como a Colômbia em nações livres, soberanas, capazes de terem seus destinos regidos pela vontade de seus povos e promover a integração de irmãos.

Não há sentido em lutar pelo poder apenas pelo poder.

O que as FARCs como qualquer movimento popular busca é interromper a chamada nova ordem política e econômica que faz ressurgir a IDADE MÉDIA e a escravidão agora em novas formas. Os que detêm o poder da tecnologia são os barões, o resto, a periferia, o Brasil inclusive, vem ao redor e com as migalhas.

Entre nós estamos sendo transformados em país produtor de bens primários, como nos tempos do Brasil colônia e já se fala em armadilha da Comunidade Européia para o etanol brasileiro.

O grande sonho de Lula é um grande fracasso eno futuro o preço a ser pago pelas concessões feitas pelo seu governo, pela inconseqüência por falta de audácia e respeito aos compromissos populares, vai ser maior do que se possa imaginar.

Somos cada vez mais uma ROÇA DE CANA. Estamos sendo destroçados pela praga do capital internacional, do capitalismo em sua versão neoliberal.

Por isso ações como a do Ministério Público do Rio Grande do Sul tentando criminalizar o MST. A violência das elites contra o governo de Evo Morales, na Bolívia. Os temores em relação ao governo de Fernando Lugo no Paraguai, Corrêa no Equador e a ação de Cristina Kirchner que taxou as exportações do trigo para evitar a falta de pão em seu país.

Tudo distorcido pela mídia deliberadamente. Yeda Crusiu, José Serra, Aécio Neves podem roubar a vontade, pois integram o grupo dominante, logo, são “inocentes” .

É uma totalidade, não são ações isoladas. Chávez e a revolução bolivariana é outro alvo do imperialismo terrorista dos norte-americanos e dos controladores do mundo.

Romper essa ordem terrorista e bárbara é o objetivo dos movimentos populares.

Mentir e distorcer é o papel que cabe à mídia nesse conjunto todo que não é nada mais e nada menos que a luta de classes num contexto de tempo e espaço, o nosso.

A grande lição desse fato, a libertação de Ingrid Betancourt é essa. Compreender a realidade, perceber a conjuntura e não permitir que sejamos transformados em subumanos sob a ótica dos “povos superiores”, as grandes potências.

No caso especifico do Brasil são dois os principais agentes estrangeiros no governo Lula. O presidente do Banco Central, Henrique Meireles e o ministro Mangabeira Unger, esse de nacionalidade norte-americana (ter nascido aqui é só um detalhe. Kissinger nasceu na Alemanha e Hitler nasceu na Áustria).

E contam com algo mais além da mídia. A tacanha mentalidade da maioria dos militares brasileiros, uma das forças armadas mais atrasadas do mundo. Que é parte de tudo isso, quando treina tortura e mata nos morros do Rio de Janeiro, ocupa o Haiti e chacina haitianos em nome da suposta democracia que nos abriga.

Na verdade nos obriga ao papel de servos de uma ordem políticas e econômica geradora de toda a injustiça social, de toda a violência, que precisa ser rompida e só será rompida com a luta em todos os sentidos, na forma que for necessária.

É aí que está sempre presente Fernando Pessoa. “navegar é preciso, viver não é preciso”. Pois há certas formas de se manter vivo que são piores que estar morto.



fonte: http://www.abdic.org.br/ingrid_betencourt1.htm


Nenhum comentário: