30 de mar de 2010

no peito do poder!

13 de mar de 2010

Adeus, Glauco

12 de mar de 2010

O pré-sal é do Brasil

VERBO 2010
O pré-sal é do Brasil. E não era esperado por ninguém até dois ou três anos atrás. E deveria servir para trazer mais união aos brasileiros. Mas virou motivo de disputas ferozes. Disputas territoriais, apenas, não de projetos políticos. Vejo as notícias que dizem que o Rio de Janeiro perdeu entre 50 e 70 bilhões de dólares e que o Estado vai à bancarrota por conta disso. Como ele pode ter perdido se ele nunca teve o dinheiro de algo que nem foi negociado ainda? Por que a bacia de Campos não rendeu o suficiente para todo o Estado sair da miséria, financiar habitações, garantir alimento ao povo fluminense, mas colocou dois governadores no poder, Rosinha e Garotinho? Dois, não, três, pois esses ex-governadores apoiaram a eleição do atual governador. Mas cadê que isso se transformou em distribuição de renda? E nem em educação, cujos salários são ridículos. Menos, ainda, em transporte, uma vez que o metrô e as barcas foram privatizadas. Aliás, Cabral, que agora chora, sorriu na privatização do Banerj e quer sorrir também na privatização do Maracanã e do Galeão, talvez acreditando em um modelo onde a concentração de renda nas mãos de menos pessoas seja mais vantajosa para a população. Talvez acredite, de fato, que a corrupção na política seja crônica e impossível de controlar. Tem experiência para saber disso.
O que me parece injusto não é que todos estados partilhem da riqueza, mas que não tenham feito, até agora, um planejamento sobre onde aplicar esse dinheiro, como ele será distribuído. Gastança para a Copa e as Olimpíadas? Sejamos sinceros, isso não modifica nada as estruturas de poder, isso não cria, em si, partilhas, ao contrário, normalmente gera a gentrificação e o abuso de poder. A Petrobrás, por acaso é de um estado, somente? E assim deve ser com a mineração e tudo o mais que vier do extrativismo nesse país. Tenho o maior amor pelo Rio de Janeriro, mas acho que se o debate cai para o bairrismo, então, perdemos todos. E o que era para agregar acaba expondo nossa própria capacidade de compartilhar.

5 de mar de 2010

quando a emenda sair pior que o...

04/03/2010 - 14h50

Estátua "Vênus de Milo" de neve é coberta por ordem da polícia nos EUA

fonte uol.com.br

3 de mar de 2010

plim plim

Pedro Bial, na sentença do paredão de ontem (2/10/2010) no BBB10, depois de ler um texto mal escrito, tentando se passar por profundo, sentenciou a frase do poeta Maiacóviski - um suicida da rússia, na breve e "elucidativa" apresentação do poeta - que "é melhor morrer de vodca do que de tédio". A partir daí mostrou os "bróders" entediados e, na sequência, tchan tchan tchan, entra em cena a vodca ice, patrocinadoradora do BBB. Com frases do tipo "solte-se com vodca ice", "libere seus instintos animais com ice vodca", "seja mais você e ice vodca" os participantes do BBB iam se embriagando, se divertindo e tornando-se algo "interesante" para serem vistos na tv, ou pelo menos mais interessante do que ficarem parados, bocejando. Vodca ice e Maiacóviski... tudo a ver.
Hoje, no intervalo da novela, um repórter de rua, da globo, entrevistava as pessoas perguntando a elas o que achavam da bebedeira com vodca. Para cada resposta, imagens da bebedeira de ontem: quanto mais putaria mais notícia. Plim plim. E como depois das notícias vem o merchandising, o primeiro produto a ser mostrado foi um inocente guaraná zero, um macarrão e um plano bancário "para você e sua família". Corta para as propagandas "normais" do horário que vendem tudo "para você sua família".
Desligo a tv cantando  cazuza - "te chamam de ladrão, de bicha, maconheiro, transformam o país inteiro num puteiro, pois assim se ganha mais dinheiro..." - e volto para minha dissertação, pensando que 'liberdade de expressão' do jeito que querem os grandes monopólios da mídia - globo, estadão, folha de são paulo, abril - realmente é incompatível com o plano nacional dos direitos humanos, com a justiça e a distribuição de renda.

2 de mar de 2010

liberdade de expressão

 Recebi um email indignado, dizendo que o governo Lula - Lula grafado com dois ll, para compará-lo ao Collor - dizendo que o governo vem perseguindo, sistematicamente, os jornalistas Boris Casoy, Arnaldo Jabor, Diogo Mainardi e Jô Soares, através de pressões na imprensa para tolherem a opinião 'livre' desses senhores. Pois bem, como o assunto toca na questão da liberdade de expressão, rapidamente devolvi o email recebido, com a seguinte resposta:


Bem, para mim esse seu email tem um erro de princípio, pois sempre vi essas pessoas como agressores e agora são colocados como vítimas do atual governo. Uma coisa é a liberdade de expressão, outra, a defesa de uma ideologia que tem no negócio privado e nas grandes empresas e conglomerados o seu modelo de 'democracia'. A defesa incondicional do lucro leva à exploração e consequente exclusão. Ao formar uma gigantesca massa de miseráveis, não há como manter intactas as estruturas de poder. Como a realidade já não é mais a mesma de 10 anos atrás, onde o neoliberalismo imperava, seus lacaios agora se sentem ameaçados, justificando dessa forma o ataque sujo contra qualquer outra visão de mundo que não a deles e da manutenção de suas benesses.
Basta ver a campanha difamatória contra todos os governos e movimentos populares na América Latina e no resto do mundo, acusados de 'terroristas', mas sem nunca dar direito de respostas àqueles os quais esses mesmos jabores, casoys e mainardis detratam e mais, destratam, com falta de respeito absoluto e parcialidades que chega ao escancaramento. O flagra recente em Casoy que, do alto de sua soberba, humilhou os garis, não é uma exceção, é uma regra. É assim que essa gente pensa. Mas, para aqueles que veem nele um portador da 'verdade' que está sendo 'oprimido' pelo governo Lula (aliás, sua demissão do
Band não passa pelo governo Federal), o consolo é que o governador de São Paulo, o neoliberal José Serra, candidato às próximas eleições presidenciais, está contratando o âncora para a TV Cultura de São Paulo. Não é por falta de emprego que ele vai deixar de expôr suas opiniões reacionárias para um público entorpecido. Isso sim é que é saber usar o Estado! Ou seja, transformá-lo em um veicúlo de uso a serviço da privatização. Pô, sejamos francos, o Jô é chato pra caramba, não perca seu precioso tempo com ele. Tá na hora desses caras largarem o ossinho e, de fato, que possa haver, pelo menos, renovação de quadros no espaço que eles ocupam.
É bom não acreditar em tudo o que a grande mídia e seus lacaios veiculam. Pelo menos não até que se coloquem uma outra visão que não a dos que acusam. É como uma piada sobre as coisas que aconteciam na época da ditadura, que o torturado foi morto porque seu queixo machucou a mão do torturador quando este lhe socou. A única diferença é que esses caras se travestem de democratas.


Ao mesm tempo que escrevo esse texto, recebo noticias da fundação da ALTERCOM, com o seguinte propósio:

Empresários, empreendedores individuais, estudantes, professores e ativistas da área da comunicação criaram sábado (27), em São Paulo, a Altercom – Associação Brasileira de Empresas e Empreendedores da Comunicação. Conforme ficou definido no encontro realizado durante todo o dia de sábado, a entidade terá como objetivo central defender os interesses políticos e econômicos das empresas e empreendedores de comunicação comprometidos com os princípios da democratização do acesso à comunicação, da pluralidade e da liberdade de expressão. Não a liberdade apenas para uns poucos grandes grupos midiáticos, como ocorre hoje, mas sim para a maioria da população que não tem respeitado hoje o direito à uma informação de qualidade.


Ao mesmo tempo em que:

Grande mídia organiza campanha contra candidatura de Dilma : Em seminário promovido pelo Instituto Millenium em SP, representantes dos principais veículos de comunicação do país afirmaram que o PT é um partido contrário à liberdade de expressão e à democracia. Eles acreditam que se Dilma for eleita o stalinismo será implantado no Brasil. “Então tem que haver um trabalho a priori contra isso, uma atitude de precaução dos meios de comunicação. Temos que ser ofensivos e agressivos, não adianta reclamar depois”, sentenciou Arnaldo Jabor.

01/03/2010

Vai lá:

http://cartamaior.com.br/templates/materiaMostrar.cfm?materia_id=16411

1 de mar de 2010

Fotos de Autumn Sonnichsen

http://www.autumnsonnichsen.com/Urban_Legends_by_Autumn_Sonnichsen_15.html