28 de fev de 2008

rancor

AMOR
com amor se paga
se pega
se caga
se apaga
se acaba.

INDIFERENTE
é o ser que mente
no labirinto presente
do instante
passando em branco
pela mente
o depois ausente.

ÓDIO
no coração
no corpo
na alma
calma!
isso é só para chamar atenção.
Tudo é ilusão
palavra no meio do vão
modifica a frase,
dores passadas, não.

12 comentários:

Anônimo disse...

o labririnto do instante é tudo o que existe/ e se o passado persiste/ no coração hesitante/ é por força do ódio/ câncer tardio no corpo distante/ e assim o futuro enevelhece/ embrulhado no presente/ que debaixo da cama se esquece.

boca quente disse...

de acordo, mas estou aprendendo uma coisa: não sabia que era "amor, ordem e progresso" o lema positivista de onde foi retirada as palavras da bandeira nacional. E que Jards Macalé chegou a pedir a inclusão da palavra amor na bandeira, também.
Concordo plenamente, mas acho que enquanto não se expurga todo o pus da ferida, não adianta passar cosmético na pele para tapar o machucado. Afinal, acabou-se a ditadura, mas pera lá, ficaremos calados como se nada tivesse acontecido? Não se fala mais no assunto porque agora estamos na "democracia"?

Anônimo disse...

amor com amor se cobra/ e do amor que sobra/ se alimenta a cobra do ressentimento/ cuspindo fora saldos, juros e pedaços mortos de momento.

boca quente disse...

desse amor alimentou-se a cobra do ressentimento com o melhor do momento e dele se ingeriu a sobra, por obra de um caprichoso veneno. eu sei o q eu digo pois eu estive lá. e te digo, amigo, pior lugar não há. esquecer seria imprudência, inconsequência, delinquência. E há tanta maldade, que até na sinceridade, há quem goste de blefar. por isso é melhor a prudência nessa hora, para não deixar a cobra do ressentimento, de novo, te pegar.

Anônimo disse...

já tá no bucho do bicho cobra quem da sobra se envena. quem dá corda pro relógio e faz do plano o fim da cena.

Anônimo disse...

(envenena)

Anônimo disse...

no fim da cena/ começa o ato/ no fim do ato/ o suspiro/ como o gato/ come o rato/ engulo o verso/ o amor: transpiro.

boca quente disse...

boca quente é cultura!

Anônimo disse...

grande bosta!

Anônimo disse...

penico sentimental... eu se fosse você não deixava.

boca quente disse...

dá-lhe ingnorânça!

Anônimo disse...

é nóis...
chula